O transplante capilar utiliza unidades foliculares do próprio paciente, que podem ser obtidas através de duas técnicas:

– retirada de uma faixa de couro cabeludo da parte occiptal da cabeça (FUT) e com posterior separação manual dos folículos, ou

– retirada feita através de várias mini-incisões, por todo o couro cabeludo, nas quais os folículos já saem separados. Essa técnica pode ser feita por máquina (Robô) ou manualmente (FUE).

Os folículos separados são implantados na área calva para melhora da densidade dos fios na região, com importante resultado estético natural.

O tempo cirúrgico é variável e depende da técnica escolhida pelo médico e paciente, de modo que cada tipo de procedimento apresenta resultados, cicatrizes, tempo de recuperação e custos diferentes.

A tecnologia do robô ajuda o médico e sua equipe a coletar unidades foliculares com precisão e mais comodidade, sem grandes diferenças no resultado final do procedimento quando comparado com a técnica manual.

É indispensável o tratamento clínico, que deve ser realizado previamente à cirurgia, assim como sua manutenção posterior, possivelmente por tempo indeterminado, a depender da doença de base que causou a alopecia.